Como é que eu nunca pensei nisto?

sexta-feira, março 18, 2016

Olá malta, muito bom dia, vocês todos sabem o quanto eu gosto de palhinhas, vergas, bambus, seagrass, serapilheiras, sisal, gosto, gosto muito! E enquanto vagabundeava no pinterest, pesquisando cabeceiras de cama nestes materiais, deu com a seguinte imagem:


Não sei se papai, conseguiria fazer isto (só podemos experimentar se não envolver muito esforço), mas até arriscava fazer um cabeceira de cama neste sisal, gosto tanto do look destes quartos!! Seja num quarto de casal, seja num quarto individual, acho que têm sempre, um ar tão giro! Mas gosto ainda mais delas, se não forem associadas a um contexto náutico sabem? Quanto mais moderno for o contexto em que estão integradas, mais eu gosto delas!!!










Vocês não gostam? Não? Não gostam porquê??? 
Eu gosto muito, mesmo! E vocês não sejam desmancha prazeres, digam-me lá que não viam uma beleza destas aí em casa?? Acho um must e tenho dito!
Beijo até Segunda.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Olá Ângela.
    Eu também pertenço ao club das amantes do sisal.
    A cabeceira da minha cama é precisamente de sisal. Quando me casei, em 2003, não consegui encontrar uma cabeceira de sisal que me agradasse e com as medidas necessárias, pelo que mandei fazer uma.
    Na altura confesso que tinha algum receio de que o material rapidamente se danificasse e ao fim de 4 ou 5 anos fosse necessário substituir. Mas a verdade é que continua impecável!
    O mood do quarto está longe, muito longe, do náutico porque na minha opinião isso poderia tornar a divisão demasiado temática e pesada.
    Como não gosto de conjuntos nem no quarto(cama, cómoda, mesas de cabeceira...) nem na sala (aparador, mesa de jantar, cadeiras, mesa de centro...)e gosto muiot de ir adqurindo as peças à medida que elas se vão cruzando no meu caminho, a cabeceira de sisal convive com uma cómoda D Maria de antiquário e mesas de cabeceira orientais; o tapete é um kilim que trouxe de uma viagem à Tunísia. Pela descrição parece uma mistura estranha, mas acho que o resultado final é muito eclético e único.

    ResponderEliminar